Ano passado eu morri – Sketchweek (6/7)

Os dias estão simplesmente lotados e os sketchs da sketchweek pulam um ou outro dia, mas whatever. Um rabisco sobre dias terríveis de outrora:

tabua

Anúncios

Mininicho – Sketch week (1/7)

Dedicarei esta semana a postar desenhos soltos por aí em sua natural formosura. Rabiscos de caderno. Estudos pra ilustras. Adoráveis garranchos.

Estabeleci o hábito de anotar minhas tarefas diárias em tiras de papel que deixo sobre minha mesa ou guardo na carteira – reconheço que é um método organizacional de funcionalidade questionável, mas trata-se apenas de um lembrete das prioridades, um substituto cheapass para os post-its. De vez em quando acabo fazendo um desenho, anotando uma frase solta que surge na cabeça, anotando o nome de algum filme pra procurar depois… ao fim do dia acumulo um estranho festival de retalhos cerebrais registrados em meia dúzia de papeizinhos.

Ó:

Mininicho

Old Man

Um sketchinho do sketchbook.

É legal fotografar o caderno ao invés de escanear. Mantém a aura despreocupada do suporte. Essa pegada tosca, manual, sinuosa… O caderno é pra rodar mesmo. Meter uma caneta no meio das páginas, jogar na mochila e tirar pra rabiscar quando se dá na telha. Vai amassar, vai detonar as bordas, vai cair café em cima… fica até mais legal assim, com os indícios dos rolês..

Digitalizado no scanner os desenhos do caderno perdem a essência que fazem deles desenhos de caderno. A página fica reta, plana, com o entorno limado.  Aliás, qualquer desenho totalmente manual perde informação quando digitalizado… Isso me lembra as resenhas sobre “A Obra de Arte na Era de Sua Reprodutibilidade Técnica” que tive que escrever durante a faculdade, texto que me recuso a citar durante um post informal… O caderno é volumoso, o espaço pra desenhar é bem limitado, a ação de inserir coisas no caderno geralmente se dá com ele no colo ou em mesinhas de bistrô quando se espera alguém pra tomar café. A fotografia é capaz de sugerir sutilmente todas essas coisas- que os desenhos são toscos porque foram feitos sob condições adversas – então o tosco se torna legal.

O saco é essa Cybershot. As fotos ficam meio cinzas o tempo todo não importa a regulagem. Ainda se vendem Cybershots por aí? Câmera de smartphone anda com uma qualidade superior, eu acho… mas o meu smartphone é dos mais baratos, inferior à Cybershot até nas funções telefônicas se duvidar. Preciso de uma câmera melhor.

Old Man